Às vezes é preciso recolher-se. O coração não quer obedecer, mas alguma vez aquieta; a ansiedade tem pés ligeiros, mas alguma vez resolve sentar-se à beira dessas águas. Ficamos sem falar, sem pensar, sem agir. É um começo de sabedoria, e dói.
Dói controlar o pensamento, dói abafar o sentimento, além de ser doloroso parece pobre, triste e sem sentido. Amar era tão infinitamente melhor; curtir quem hoje se ausenta era tão imensamente mais rico. Não queremos escutar essa lição da vida, amadurecer parece algo sombrio, definitivo e assustador.
Mas às vezes aquietar-se e esperar que o amor do outro nos descubra nesta praia isolada é só o que nos resta. Entramos no casulo fabricado com tanta dificuldade, e ficamos quase sem sonhar.
Quem nos vê nos julga alheados, quem já não nos escuta pensa que emudecemos para sempre, e a gente mesmo às vezes desconfia de que nunca mais será capaz de nada claro, alegre, feliz.
Mas quem nos amou, se talvez nos amar ainda há de saber que se nossa essência é ambigüidade e mutação, este silencio é tanto uma máscara quanto foram, quem sabe, um dia os seus acenos.

Lya Luft (em Secreta Mirada)











Silêncios


há momentos fortuitos em que as palavras
se afastam para darem lugar aos acontecimentos.
nada impede que elas se apresentem, limpas de si,
nada impede o ressoar do som na letra e,
no entanto, elas permanecem mudas como se
na sua teimosia estivessem eternidades de
instantes e alguns farrapos de felicidade. as palavras
retraem-se na timidez dos olhares dos amantes
e fecham-se no seu íntimo significado por
serem espelhos onde nem a poesia se vê.

Rui Miguel Rocha










dos diários


Há uma incompatibilidade com esse mundo que a angústia acentua. Essa maldita luva de pelica percorre o pescoço com suave pressão. Sufoca e extrai prazer do que não sei, apenas sinto e é nesse universo paralelo onde a realidade extrapola o sonho, que me encontro. Em algum lugar além, alguém esta, mas o caminho não é de fácil acesso, o destino desconhecido, a loucura mansa, mata pouco a pouco cada minuto do meu dia e prolonga por longas horas, as mesmas horas que a noite tem.
É assim...


andrea augusto©angelblue83




0 comentários: