Shakespeare começou escrevendo aos 26 anos e parou aos 48 quando se retirou para Straford-on--Avon ao aposentar-se. No total foram 36 peças entre tragédias, dramas, comédias e peças tragicômicas. Também foi autor de uma série de poemas e sonetos, sendo que o primeiro deles foi Vênus e Adonis, aparecido em 1593.
Na sua época a profissão de escritor não era levada em consideração. Apesar de Shakespeare ter-se tornado um bem-sucedido homem de negócios e um excelente empreendedor, tudo indica que ele não se importava muito com o que escrevia. Ou pelo menos não tinha consciência do seu valor. Tanto é assim que quando morreu no seu lugarejo de nascença, em 1616 (dizem no mesmo dia que nasceu 23/04), não havia se dado ao trabalho de juntar seus escritos numa obra só. Deixou-os dispersos. Dois de seus amigos, os atores John Hemige e Henry Condell, felizmente recolheram quase tudo que estava espalhado e publicaram o primeiro in-fólio, em 1623. A interrogação que resta a fazer sobre a atitude de Shakespeare a respeito da sua obra é se ele minimizou a importância dos seus escritos a ponto de desconsiderá-los ou se realmente jamais teve um lampejo sequer sobre a importância extraordinária que ela iria ter no futuro.






"Há quem diga que todas as noites são de sonhos.
Mas há também quem diga... Nem todas, só as de verão.
Mas no fundo isso não tem muita importância.
O que interessa mesmo não são as noites em si, são os sonhos.

Sonhos que o homem sonha sempre.
Em todos os lugares, em todas as épocas do ano,
dormindo ou acordado."


Trecho da peça Sonhos de uma noite de verão.





Shakespeare foi um autor tão completo que ainda hoje suas peças são consideradas atuais e há quem diga que depois dele pouco se inovou com relação aos temas abordados na dramaturgia. Será?




"A vida é apenas uma sombra ambulante, um pobre cômico que se empavona e agita por uma hora no placo, sem que seja, após, ouvido; é uma história contada por idiotas, cheia de fúria e muita barulheira, que nada significa."

Macbeth, Ato V, cena V


Leia: http://www.10emtudo.com.br/artigos_1.asp?CodigoArtigo=50


* Em tempo: Fica o registro do falecimento de Mauro Rasi. Ficamos menos alegres, menos irreverentes, menos descontraidos. Com ele a crítica bem humorada e certeira se vai. O que consola é saber que uma Pérola espera por ele. Ciao, Mauro.


0 comentários: