Hélio Pellegrino faria 80 anos hoje, se um enfarte não tivesse abreviado sua vida em 1988.
Assim começa a matéria do segundo caderno do O Globo de hoje. Matéria, alias, maravilhosa onde um pouco da vida e obra dele é contada.
Poderia colocá-la aqui na íntegra, mas preferi transcrever alguns trechos da entrevista de Hélio à Clarice Lispector, do livro dela, De corpo inteiro. Já coloquei as entrevistas de Tom Jobim, Vinicius de Moraes e Neruda por aqui, mas confesso que de todas que o livro traz, a de Hélio Pelegrino foi a que mais gostei.





Um homem chamado Hélio Pellegrino


- Diga qual é a sua fórmula de vida. Eu queria imitar.

Há, no Diário íntimo de Kafka, um pequeno trecho ao qual gostaria de permanecer para sempre fiel, fazendo dele a minha fórmula de vida: "Há dois pecados humanos capitais dos quais todos os outros decorrem: a impaciência e a preguiça. Por causa de sua impaciência, foi o homem expulso do paraíso. Por causa de sua preguiça, não retornou a ele. Talvez não exista senão um pecado capital, a impaciência. Por causa da impaciência, foi o homem expulso, por causa dela não consegue voltar. Tenhamos paciência - uma longa, interminável paciência - e tudo nos será dado por acréscimo"

- Por que você escreve esporadicamente e não assume de uma vez por todas o seu papel de escritor e criador?

Poderia driblar essa pergunta, respondendo com uma meia-verdade - escrevo menos esporadicamente do que publico. Mas esta seria uma saída falsa, e não quero ser falso. Escrever e criar constituem, para mim, uma experiência radical de nascimento. A gente, no fundo, tem medo de nascer, pois nascer é saber-se vivo e - como tal - exposto à morte. Escrevo mais do devo para - quem sabe? - manter a ilusão de que tenho um tempo longo pela frente. A meu favor, posso dizer a você que, com freqüência, agarro-me pelas orelhas e me ponho ao trabalho. Há umas coisas valiosas nas quais acredito, com muita força. Preciso dizê-las e vou dize-las.

- Hélio, diga-me agora, qual é a coisa mais importante do mundo?

A coisa mais importante do mundo é a possibilidade de ser-com-o-outro, na calma e intensa mutalidade do amor. O Outro é o que importa, antes e acima de tudo. Por mediação dele. Na medida em que o recebo em sua graça, conquisto para a mim a graça de existir. É esta fonte da verdadeira generosidade e do entusiasmo - Deus comigo.
O amor genuíno ao Outro me leva à intuição do todo e me compele à luta pela justiça e pela transformação do mundo.

- Que é amor?

Amor é surpresa, susto esplêndido - descoberta do mundo. Amor é dom, demasia, presente. Dou-me ao Outro e, aberto à sua alteridade, por mediação dele, recebo dele o dom de mim, a graça de existir, por ter-me dado.

- Helio, você é analista e me conhece. Diga-me sem elogios - quem sou eu, já que você me disse quem é você...

Você, Clarice, é uma pessoa com uma dramática vocação de integridade e totalidade. Você busca, apaixonadamente, o seu self... e esta tarefa a consome e faz sofrer. Você procura casar, dentro de você, luz e sombra, dia e noite, sol e lua...


Fragmentos transcritos do livro "De corpo inteiro" , Clarice Lispector, Ed.Rocco, 1999, págs 54, 55.

0 comentários: