Era o dia 10 de março de 1948, no sanatório o mesmo dia se repetia sempre, mas aquele seria diferente e entraria para a história. Naquele dia, um incêndio mataria Zelda Scott-Fitzgerald.
Há uma história que diz que ela teria disparado o alarme chamando os bombeiros e quando eles chegaram perguntando onde estava o fogo, ela bateu no peito e disse: "Aqui!". Verdade ou não, é o tipo de história que ilustra bem a personalidade conturbada de Zelda Scott.






A bela do Alabama nasceu no dia 24 de julho de 1900, era brilhante, inteligente e talentosa. Escreveu uma novela, diversos histórias e artigos curtos, foi dançarina e pintora.
Zelda morreria oito anos depois do marido, o brilhante escritor Scott Fitzgerald, de quem foi sombra, ainda que escandalosa por toda a sua vida.
É difícil dissociar um do outro e mais ainda ser isento ao julgar Scott quando Zelda começou a enlouquecer. Antes mesmo do fim trágico, dela e dele, a vida ao lado de um escritor de ego gigantesco que sufocou seu talento sistematicamente foi pontuada por grandes cenas, bebedeiras, viagens e claro, livros.
Algumas biografias vão mais fundo e atestam que Scott bebeu muito da fonte criativa de sua mulher e que o fato de não poder exercer todo o seu potencial criativo teria deflagrado nela, a esquizofrenia.
O fato é que hoje F. Scott Fitzgerald é lembrado pelos livros que escreveu, tais como: Suave é a noite, O grande Gatsby, Este lado do paraíso entre outros e Zelda apenas pela morte trágica, por ser uma bela mulher, marcar uma época vivendo até a última gota todos os prazeres da vida e travando uma luta inglória contra a loucura. O que não é pouco, mas infinitamente pequeno diante do que ela poderia ter sido.


"...Olho para os trilhos e vejo você chegando - emergindo da névoa e bruma, suas queridas calças amarrotadas correm com pressa para mim - Sem você, muito querido, queridíssimo, não enxergaria nem ouviria nem sentiria nem pensaria..."

Amante, Amante, Querido

Sua esposa

Trecho da carta de Zelda Fitzgerald a Francis Scott Fitzgerald.


Leia: http://www.zeldafitzgerald.com/chronology/chronology.asp

0 comentários: