/
"Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida. "
Clarice Lispector

/
/

Chega de Saudade

Vai, minha tristeza, e diz a ela
Que sem ela não pode ser
Diz-lhe, numa prece, que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade, a realidade é que sem ela
Não há paz, não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai

Mas, se ela voltar, se ela voltar
Que coisa linda, que coisa louca
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos que eu darei na sua boca

Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim

Que é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim
Não quero mais esse negócio de você viver assim
Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim
Vinícius de Moraes

/
/

Presença

É preciso que a saudade desenhe tuas linhas perfeitas,
teu perfil exato e que, apenas, levemente, o vento
das horas ponha um frêmito em teus cabelos...
É preciso que a tua ausência trescale
sutilmente, no ar, a trevo machucado,
as folhas de alecrim desde há muito guardadas
não se sabe por quem nalgum móvel antigo...
Mas é preciso, também, que seja como abrir uma janela
e respirar-te, azul e luminosa, no ar.
É preciso a saudade para eu sentir
como sinto - em mim - a presença misteriosa da vida...
Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista
que nunca te pareces com o teu retrato...
E eu tenho de fechar meus olhos para ver-te.
Mário Quintana

/ /



/
"Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche."
Martha Medeiros
/
/ /


'' ... Saudade é amar um passado que ainda não passou,
É recusar um presente que nos machuca,
É não ver o futuro que nos convida ... ''
Pablo Neruda


/ /
"...você cresceu em mim de um jeito completamente insuspeitado, assim como se você fosse apenas uma semente e eu plantasse você esperando ver uma plantinha qualquer, pequena, rala, uma avenca, talvez samambaia, no máximo uma roseira, é, não estou sendo agressivo não, esperava de você apenas coisas assim, avenca, samambaia, roseira, mas nunca, em nenhum momento essa coisa enorme que me obrigou a abrir todas as janelas, e depois as portas, e pouco a pouco derrubar todas as paredes e arrancar o telhado para que você crescesse livremente"
"Para uma avenca partindo" em "O Ovo Apunhalado" - Caio Fernando Abreu.

/
/
Eu quis o perigo e até sangrei sozinho entenda,
Assim pude trazer você de volta pra mim.
Quando descobri que é sempre só você que me entende do ínicio ao fim e é só você que tem a cura pro meu vício de insistir nessa saudade que eu sinto de tudo que ainda não vi.
Índios - Renato Russo

/
/




/
/
"Sou eu, eu mesmo, tal qual resultei de tudo,
Espécie de acessório ou sobressalente próprio,
Arredores irregulares da minha emoção sincera,
Sou eu aqui em mim, sou eu.
Quanto fui, quanto não fui, tudo isso sou.
Quanto quis, quanto não quis, tudo isso me forma.
Quanto amei ou deixei de amar é a mesma saudade em mim."
Álvaro de Campos

/ /


“A saudade é isto: viver nas ondas
E não ter pátria no tempo.
E desejos são isto: diálogos baixos
De horas diárias com a eternidade.

E a vida é isto: até que de um ontem
surge a mais solitária das horas
Que, sorrindo diferente das outras irmãs,
Vai calada ao encontro do eterno."
Rainer Maria Rilke


/ /
"...e a saudade que eu tinha de gente fazia com que eu rolasse horas na areia do sol abrasador, abraçando meu próprio corpo, inventando um prazer que eu precisava para me sentir vivendo talvez, porque eu não tinha medos nem preocupações nem mágoas nem nada concreto nem expectativas, as minhas células amorteciam, eu sentia que ia acabar virando uma palmeira, os meus pés agora parecem raízes, mas ainda tenho mãos, então eu rolava na areia quente enquanto meus dentes faziam marcas fundas roxas nos meus braços, nas minhas pernas e de repente todas as minhas células explodiam em vida, exatamente isso, em vida, eu tinha dentro de mim todo aquele sol todo aquele mar tudo aquilo que eu conhecera antes, que conheceria depois, se não estivesse aqui. Eu ficava amplo, na areia, abraçado a mim mesmo”
Caio Fernando Abreu – Trecho (In O Inventário do Ir-remediável)
/
/



/ /
“Se você sentir saudades
Por favor não dê na vista
Bate palma com vontade
Faz de conta que é turista".
Chico Buarque

/


"Há de haver algum lugar, um confuso casarão
Onde os sonhos serão reais e a vida não.
Por ali reinaria o meu bem, com seus risos, seus ais, sua tez
E uma cama onde à noite sonhasse comigo, talvez
Um lugar deve existir, uma espécie de bazar
Onde os sonhos extraviados vão parar
Entre escadas que fogem dos pés e relógios que rodam pra trás
Se eu pudesse encontrar meu amor
Não voltava Jamais "
Chico Buarque e Edu lobo.

/



/
/
"Não é saudade, porque para mim a vida é dinâmica e nunca lamento o que se perdeu - mas é sem dúvida uma sensação muito clara de que a vida escorre talvez rápida demais e, a cada momento, tudo se perde."
Caio Fernando Abreu.


Presença

É preciso que a saudade desenhe tuas linhas perfeitas,
teu perfil exato e que, apenas, levemente, o vento
das horas ponha um frêmito em teus cabelos…

É preciso que a tua ausência trescale
sutilmente, no ar, a trevo machucado,
a folhas de alecrim desde há muito guardadas
não se sabe por quem nalgum móvel antigo…

Mas é preciso, também, que seja como abrir uma janela
e respirar-te, azul e luminosa, no ar.
É preciso a saudade para eu sentir
como sinto - em mim - a presença misteriosa da vida…

Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista
que nunca te pareces com o teu retrato…
E eu tenho de fechar meus olhos para ver-te!
Mario Quintana

/
/

Saudade

Saudades! Sim… talvez… e porque não?…
Se o nosso sonho foi tão alto e forte
Que bem pensara vê-lo até à morte
Deslumbrar-me de luz o coração!

Esquecer! Para quê?… Ah! como é vão!
Que tudo isso, Amor, nos não importe.
Se ele deixou beleza que conforte
Deve-nos ser sagrado como pão!

Quantas vezes, Amor, já te esqueci,
Para mais doidamente me lembrar,
Mais doidamente me lembrar de ti!

E quem dera que fosse sempre assim:
Quanto menos quisesse recordar
Mais a saudade andasse presa a mim!
Florbela Espanca

/
/

"...Nisto acordei com dor, com impaciência;
E não vos encontrando, olhos brilhantes,
Vi que era a minha morte a vossa ausência!"
Bocage


/
/
“…Não basta ter recordações. É preciso esquecê-las quando são muitas, e é preciso ter a grande paciência de que elas regressem. Pois só as próprias recordações ainda não são o que mais importa. Só quando se tornam sangue dentro de nós, olhar e gesto, quando deixam de ter nome e já não se distinguem de nós mesmos...”
Rilke


/


30/01 - Dia da Saudade, embora saudade seja todo dia.

/
Diferentemente dos outros posts do “Porque hoje é sábado” , o de hoje não será um dos medalhões da época de ouro de Hollywood. Hoje por causa de ontem, é dia de Richard Gere. Ok, não é nenhum grande ator, mas depois de rever “Uma linda mulher” que deixei gravando, não resisti, o dia É dele.
/


Richard Gere - caricatura by Ben

/

O dono dos olhinhos apertadinhos mais sexies do cinema nasceu em 29/08/1949 na Filadélfia (Pensilvânia). Segundo dos cinco filhos do vendedor Homer e da dona de casa Doris, na adolescência foi um músico amador, tocando trompete, piano, guitarra e banjo numa banda de rock. Em 1967 se formou na North Syracuse Central High School.
//


Aos 19 anos seu sonho era ser músico, mas acabou entrando para o curso de Filosofia mudando-se para Nova York no começo dos anos 70.
Foi chamado para substituir um amigo numa montagem teatral de ''Grease''. Nos anos seguintes fez pequenos papéis em peças da Broadway, até que em 1975 foi chamado para trabalhar em ''Vingança Fulminante'' (Strike Force), filme de TV de 1975.

Daí em diante começa a ser notado pelos grandes estúdios e os trabalhos começaram a aparecer. Foi coadjuvante em "À Procura de Mr. Goodbar", quando resolveu dar um pulinho ao Tibet para aprimorar seus conhecimentos sobre o budismo. Um fofo, além de lindo, espiritualizado. Combinação sedutora.
Na volta aos Estados Unidos o ator atuou em "Bent", nos palcos de Nova York. O papel lhe valeu o Theatre Word Award, valorizada premiação do teatro norte-americano.

/


Daí em diante Richard Gere já era tratado como um astro. Seu primeiro filme como protagonista foi "O Gigolô Americano", de 1980, em que contracena com Lauren Hutton.
Mais uma vez as grandes causas sociais o levaria a viajar pelo mundo. Nicarágua, El Salvador e Honduras, países que viviam conflitos armados, eram seus destino.

/

Particularmente, ao contrário da maioria que adora "Uma linda mulher", prefiro Breathless. Gosto da estória, da loucura, da química intensa entre a sensualíssima Valerie Kaprisky que despontou para o anonimato, era linda, mas muito fraquinha e ele.
Óbvio que não chega aos pés de "Acossado", de Jean-Luc Godard, no qual foi inspirado, mas Gere esta especialmente bem nesse filme que longe de ser uma obra-prima, cumpre bem o papel e ainda hoje mantém o frecor.

/


Gere em ação humanitária - Mumbai, Índia.

Richard Gere nunca foi considerado um grande ator. E nunca fez questão disso. Uma de suas frases prediletas, que sempre repete para os jornalistas é: ''Eu não quero ser uma personalidade''.
Ele até pode não querer ser uma personalidade, e não é mesmo. Alguém que usa seu prestígio a serviço da humanidade é muito mais do que uma simples personalidade, Gere é mais, MUITO mais do que isso.



/
/
Federico Fellini nasceu em 20 de janeiro de 1920 e morreu em 31 de outubro de 1993, numa de suas visitas a Rimini, sua cidade natal. Seu corpo foi velado num estúdio de Cinecittá, tendo ao fundo um céu pintado, cenário de seu filme Entrevista.

Os filmes de Fellini são sem dúvida autobiográficos, mágicos, cheios de ilusões e escondem (ou nos revelam) seus sonhos, além de duras críticas.

Nunca a compulsão pela mentira provocou efeitos tão benéficos para a arte. Federico Fellini foi um mentiroso obstinado, e há um pouco dessa característica em seus filmes, principalmente os da segunda fase. Ou você acha que aquelas memórias de Amarcord aconteceram do jeito que ele relatou? Em Fellini, o delírio ocupava lugar de destaque. Sem dúvida Amacord é um dos meus prediletos.
Na verdade, "Amacord", ou, em dialeto romagnolo, "a m' acord", signifca "eu me lembro", talvez a expressão mais apropriada para definir o conteúdo do filme.

A grande empatia do filme está exatamente numa visão do passado filtrada pela ironia e pela exposição do que corre nas regiões mais interiores do ser humano. De certo modo, o filme nos faz rir de nós mesmos. Os tipos criados por Fellini se amplificam da aparente caricatura com que são construídos para a universalidade de seu sentido. Da opulenta Gradisca ao velho ranzinza, Fellini constrói uma galeria de personagens inesquecíveis, ridicularizando inclusive os sistemas políticos totalitários.

A eterna companheira de Fellini, Giulietta Masina, merece um capítulo à parte. Com ela, o diretor deixou de ser um diretor promissor para cravar seu nome no restrito ninho dos gênios. Ou alguém discorda que personagens como a desmiolada Gelsomina (de La strada) e a ingênua prostituta Cabíria (de Noites de Cabíria) fazem parte, hoje, do imaginário do mundo todo? Em La strada - até hoje uma obra irretocável -, Fellini também teve a sorte de contar com um Anthony Quinn em estado de graça, como o bronco Zampanò.

Casado com Giulietta Masina, com quem havia trabalhado no começo de carreira ficou a vida inteira, até sua morte em 1993, no ano em que completavam 50 anos de casados.

E la nave va...
/
/
"Live long enough to find the right one"
Viva o bastante pra encontrar a pessoa certa

/
/


/
/
/
Eu tinha visto essa animação bacanérrima no programa "A hora do intervalo" e hoje coincidentemente recebi por um dos feeds que assino um post falando dela. Só então fui atrás para encontrá-las no YouTube.
Trata-se de uma campanha bem humorada sobre prevenção da AIDS e porque não dizer das aventuras e desventuras de uma menina e haja desventuras, rss
Assista e divulgue, porque além de carregar bem rapidinho e prender a atenção, é uma maneira bem mais legal de passar as informações necessárias. E enquanto a "pessoa certa" não chega, vá se divertindo com as erradas mesmo, mas com segurança, claro!

O endereço do vídeo esta aqui caso você não consiga visualizar por aqui:

http://br.youtube.com/watch?v=-X6s-ikBklc
/

Meu melhor amigo

/

/

...

Então a raposa apareceu.

"Bom dia", disse a raposa.

"Bom dia", o Pequeno Príncipe respondeu educadamente. "Quem é você? Você é tão bonita de se olhar."

"Eu sou uma raposa", disse a raposa.

"Venha brincar comigo", propôs o Pequeno Príncipe. "Eu estou tão triste."

"Eu não posso brincar com você", a raposa disse. "Eu não estou cativada."

"O que significada isso – cativar?"

"É uma coisa que as pessoas freqüentemente negligenciam", disse a raposa. "Significa estabelecer laços."

"Sim" disse a raposa. "Para mim você é apenas um menininho e eu não tenho necessidade de você. E você por sua vez, não tem nenhuma necessidade de mim. Para você eu não sou nada mais do que uma raposa, mas sem você me cativar então nós precisaremos um do outro."

A raposa olhou fixamente para o Pequeno Príncipe durante muito tempo e disse: "Por favor cativa-me."

"O que eu devo fazer para cativar você?" perguntou o Pequeno Príncipe.

"Você deve ser muito paciente." Disse a raposa. "Primeiro você vai sentar a uma pequena distância de mim e não vai dizer nada. Palavras são as fontes de desentendimento. Mas você se sentará um pouco mais perto de mim todo dia."

Então o Pequeno Príncipe cativou a raposa e depois chegou a hora da partida dele – "Oh!" disse a raposa. "Eu vou chorar."

"A culpa é sua", disse o Pequeno Príncipe, "mas você mesma quis que eu a cativasse."

"Adeus" disse o Pequeno Príncipe.

"Adeus", disse a raposa. "E agora eu vou contar a você um segredo: nós só podemos ver perfeitamente com o coração; o que é essencial é invisível aos olhos. Os homens têm esquecido esta verdade. Mas você não deve esquecê-la. Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa."
Saint-Exupéry

/

O que é preciso para se ter um amigo? Um "melhor amigo"?
Aquela pessoa que você pode ligar, sem medo, às três da manhã, pra chorar no ombro que ele não vai ficar chateado, pelo contrário vai ficar afobado pra saber o que aconteceu. Aquele para quem você pode falar dos seus medos, confessar fraquezas que sabe que não será julgado.
Essas são as questões abordadas nessa deliciosa comédia francesa que o meu querido amigo Alê me mandou direto de Sampa.

/

O filme conta a história de François, um marchand extremamente apegado a objetos. Em seu aniversário sua sócia, Catherine (Julie Gayet), diz que ele não tem amigos, e todos presente na mesa concordam.
Indignado com tal observação, François faz uma aposta com Catherine, para apresentar em dez dias seu melhor amigo. Ele parte então em busca de seu melhor amigo através de uma lista, mas aos poucos vai descobrindo que não cultivou qualquer amizade. Mesmo com sua própria filha ele não consegue manter uma relação próxima.
O desespero aumenta e ele começa a procurar cursos, livros e perguntar as pessoas na rua sobre como fazer amizades. Para não perder a aposta, que é a um vaso grego caríssimo que adquiriu, e que curiosamente simboliza a amizade, François pede a ajuda do taxista Bruno (Dany Boon), que consegue facilmente interagir com outros. Aos poucos, mesmo sem perceber, começa a nascer a amizade entre essas pessoas tão diferentes.

/

O filme conquista pela sua simplicidade e despretensão. Com linguagem direta e narrativa ágil, toca na ferida das atuais relações humanas, sem cair no sentimentalismo fácil.
Uma delícia de se ver, um presente inesquecível que já esta em ótimas companhias na minha DVdoteca e a certeza de que no mundo existem pessoas que sabem exatamente o que significa a palavra AMIZADE.

/
Em tempo! Esse post é dedicado aos meus amigos, em especial ao Alê.

/



Hemingway said his best work was a six-word story:
‘For sale: baby shoes, never worn.’





Lendo um post do excelente blog Obvious relembrei uma história ali contada. O post falava de Hernest Hemingway e uma história completa escrita por ele com apenas seis palavras e que ele mesmo considerou sua melhor história. Impossível? Não pra um escritor genial como ele. Ei-la:
/


Vende-se: sapatos de bebé, nunca usados.


/
Exageros à parte, uma história completa com apenas seis palavras não é pra qualquer um. Arrisquei uma lá nos comentários do blog. Obvious que não cheguei nem perto da cutícula do dedinho mindinho de Hemingway, mas a gente tenta, né? ;)
//
Vai daí que eu continuei procurando mais sobre pequenas histórias, grandes autores e achei coisa boa:
/
A ÁRVORE ETERNA
/
Ela foi plantada do Éden, há seis mil anos. Era uma boa macieira, de sombra refrescante e fruto ácido, com um interessante diabo, em forma de cobra, enrolado no seu tronco, para enfeitá-lo ainda mais, como uma pulseira num abraço. E tinha um encanto máximo, essa Árvore: o de ser proibida. Por isso mesmo, houve dentadas no seu fruto e beijos na sua sombra; e, no seu tronco, alguém gravou um coração com estas iniciais dentro: “A.E.”...
Guilherme de Almeida.
/
/
METAMORFOSE
/
Gazel não era rude, mas costumava dizer coisas violentas e inesperadas durante o seu silencioso idílio com Esperanza. Trabalhara muito naquela tarde e estava nervoso, com desejos de dizer uma grande frase qualquer que surpreendesse e assustasse sua mulher. Sem erguer os olhos do trabalho que estava fazendo, disse-lhe, de súbito: “Vou lhe atravessar com um alfinete como se você fosse uma borboleta!” Esperanza não lhe deu resposta, mas, quando Gazel olhou para trás, viu pela janela aberta fugir uma borboleta, que se perdia na distância, enquanto o quarto submergia na sombra.
Ramon Gómez.

/

Eu não sei, mas desconfio que futuramente a literatura será assim, pelo menos online onde poucos realmente lêem o que se escreve. Uma pena, gosto de palavras em abundância.

/



As várias faces de Valério Vieira

/

Imagina um homem com uma criatividade inacreditável, nenhum recurso nas mãos e muitas idéias na cabeça. Imagina um homem, um fotógrafo produzir uma foto em 1904 onde todos os personagens, pianista, violoncelista, garçom, maître e até mesmo as figuras nos retratos das paredes tinham o mesmo rosto, o rosto dele mesmo. Imagina alguém fazendo isso sem os recursos do photoshop? Pois é, esse homem existiu, era brasileiro e se chamava Valério Vieira.

Resolvi falar dele porque gosto de fotografia, adoro histórias inusitadas e constato sempre que o diferencial entre a mesmice e o toque de gênio, é a criatividade. Exemplo? Lembro bem de uma viagem onde todos munidos de câmeras tirávamos fotos, seriam todas iguais, se não fosse por um detalhe, "alguém" antes de clicar resolveu colocar os óculos escuros na frente da lente. A mesma foto, de uma praia saiu completamente diferente, céu, mar, sol adquiriram o tom amarelo dourado cheio de nuances da lente dos óculos. Essa é a diferença, o toque, a criatividade, a poesia que se enxerga. Para fotografar é preciso ver e o sentido disso é lato sensu mesmo.
E como hoje é Dia do Fotógrafo vamos a história desse cara genial.

Em 1901, de maneira totalmente inédita à que habitualmente faziam seus colegas no Brasil, ele começou a trabalhar com fotomontagem. Não se sabe como ele teve essa idéia, se pensarmos na fotografia experimental européia e americana, veremos que ela se desenvolve de forma mais consistente no período entre-guerras e Valério Vieira não tem nada com isso. Ele antecede esse momento. Ele não está ligado à fotografia composta, nem com a fotomontagem dadaísta desenvolvida a partir de 1916. Trata-se de algo inovador, único para aquele momento. Foi nessa época que surgiu "30 Valérios", a fotomontagem já citada acima.

Sua criatividade sem limites o faria produzir ainda uma série de panoramas que se tornariam sua marca. Certamente, pela ousadia em produzir nas duas primeiras décadas do século XX várias imagens, não só da cidade, mas de cenas rurais, em grandes dimensões. Além da ousadia técnica de produção, esses panoramas da capital, em especial, o de 1922, produzido para a exposição comemorativa da Independência no Rio de Janeiro, representam um gesto relevante no campo da representação das cidades ao optar pela grande escala deslocando a fotografia para o campo da arte mural.

Vieira nasceu em Angra dos Reis, no Estado do Rio de Janeiro, em 16 de novembro de 1862, filho de um fazendeiro de café. Em 1875, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde freqüentou a Academia Imperial de Belas-Artes, como aluno ouvinte. Entre 1890 e 1893 morou em Ouro Preto, trabalhando como fotógrafo e pintor. Abolicionista, deu o nome de José do Patrocínio ao seu primeiro filho. Em 1894, mudou-se para São Paulo, mantendo sua residência e seu ateliê na Rua 15 de Novembro.
Foi Valério Vieira quem lançou a moda dos "retratos de formatura", cultivados principalmente pelos bacharéis da Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Seu estúdio era freqüentado pelos principais políticos da época.

Infelizmente o nosso genial fotógrafo não era muito cuidadoso e não chegou a arquivar, organizar ou mesmo catalogar suas obras, especialmente no que diz respeito às experimentações, ainda assim seu nome ficou e entrou para a história da fotografia brasileira.




Os Trinta Valérios, 1900.

/


E por falar em fotógrafos geniais, deixo a história de uma foto feita por Philippe Halsman na qual ele retrata o mestre do surrealismo Salvador Dali.


Photobucket
Foto Philippe Halsman
/
/
Hoje seria fácil fazer a foto "Dali Atomicus", mas na época de sua realização Philippe Halsman, só pode contar com ajuda da mulher e de quatro assistentes.
Três assistentes jogaram os gatos, um outro jogou a água, e sua esposa a cadeira. E voilá, depois de 26 tentativas e cinco horas de trabalho, ele chegou ao resultado conhecido hoje em todo o mundo.

Mandou pular...

Não bastasse a vocação para fotos inusitadas, Halsman tinha o dom de fazer qualquer um dar pulos diante da sua lente. Pulos mesmo, não é força de expressão.
Reza a lenda que tudo começou ao final de um recatado ensaio no palácio da família Ford, em alusão aos 50 anos da companhia. Bastou uma bebidinha relaxante e lá estava Mrs. Edsel Ford, ouvindo Haslman perguntar se ela não poderia dar um pulo para sua câmera e ela topou.
Depois disso os "pulos" se tornanram recorrentes na vida do fotógrafo.
/

/
Abaixo alguns pulinhos famosos:
/
/

Photobucket
Windsors

/
/
/

Photobucket
Jacques Tati
/
/
/
/


Photobucket
Grouxo e Marilyn
/
/
/



Photobucket
Grace Kelly

/
/
/


Feliz Dia do Fotógrafo para amadores e profissionais
da arte de eternizar momentos!
/
/



Bobagem Legal

/
Para começar o ano bem, vou de bobagem legal, descompromissadamente e ainda cansada pela passagem ;)

Vamo lá:

Pra você não se perder, eis um site que disponibiliza calendários verticais e horizontais. Embora já conhecesse, fica como dica do excelente Favoritos. Clica aqui que você . Nesse site aqui, você pode fazer calendários em português.

/




/




Nesse site, você consegue fazer letras corpo, o que me lembra minha saudosa amiga querida a Li que há séculos já usava essas letrinhas. Aqui você encontra as letrinhas.

/


/
Esse gerador é muito legal! Faz bolos de aniversário personalizados. Já tratei de fazer de uma amiga capricorniana, agora é só entregar, rsss. Clica aqui e vai lá.
/






/



Já esse é uma sopa de letrinhas, que você encontra aqui.
/

/



Esse abaixo é outro gerador bacana. E você pode deixar sua mensagem na areia da praia também, basta dar um pulinho aqui.
/

ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more

/
Outro gerador interessante aqui.
/


ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more


/
/
Dizem que isso ai servia pra gravar música, rsss Desconheço! Faça a sua aqui.
/


/
/
Tô pensando em fazer uma tatoo...faça a sua aqui.
/
/
ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more
/
/
/
Esse é o meu remédio. Adquira o seu aqui e use sem moderação!
/

ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more
/
/
/
Doença boa: aqui.
//
Draw Customized Symbols - ImageChef.com
/
/
/
/
Mande flores ;)
/
/Flower Text - ImageChef.com
/
/