Photobucket - Video and Image Hosting
merman





SAKVURZKA no ...
/
dos outros é refresco...


Pra falar a verdade, eu nem pretendia postar nada sobre esse assunto. Todo mundo sabe que o literatus é outro papo, mas como sei que a onda de choro e ranger de dentes poderá chegar até vocês, achei melhor alertá-los sobre o que virá...

Tudo começou na madrugada do dia 05/02/07. Acordei, fiz meu cafezinho e liguei a TV para assistir as notícias (ô vício!) antes de sair, notei que nenhum dos canais entrava. Nem TV aberta, nem TV a cabo. Resignada, acabei o café e piquei a mula para o trabalho do outro lado do planeta. Mal sabia eu que o calvário estava só começando.Ao chegar lá, conversando com uma amiga que também mora na Barra, pertinho de mim, escutei: Cortaram a NET de todo mundo no prédio desde ontem!

Hummm, então não era só comigo, pensei. Será que o bairro tinha sido atingido por alguma praga devastadora de canais minimamente “assistíveis” ?? Ela não sabia, então tratei de assuntar. Liguei para o meu irmão que foi logo dizendo: A NET cortou o sinal de todo mundo durante a madrugada e agora somos obrigados a mudar para o sistema digital pagando mais do que o dobro do preço de antes. Que tal?

Péssimmoooo! Cabe aqui uma ressalva. Muito longe de ser apenas um luxo, ter TV a cabo onde nós moramos é necessidade básica, sem o sinal dela não pegamos nenhum canal da TV aberta. Vai daí que somos assinantes da NET desde tempos imemoriais quando o Paulo Francis era vivo e só de morto ele acaba de completar 10 longos e monótonos anos jornalísticos que nem o seu clone paraguaio, Diogo Mainardi conseguiu amenizar...uff.
Bom, constatado o problema, fui tratar de solucionar. De pronto resolvi que não pagaria quase 200 pratas pelo pacote sem antes brigar e muito!
Primeiro, a NET cortou o sinal sem nenhum aviso prévio.
Não nos informou dos pacotes e nem de um prazo para a uma mudança. Ela apenas fez o corte.
Houve quebra de contrato.
No meu caso, não tenho escolha, a TVA não atende onde eu moro e a DirectTv e sky, ambas do grupo Globosat praticam o mesmo preço ou seja, são um monopólio.
O atendimento para esclarecimentos vai de precário ao maior descaso. Passei 3 horas tentando entender o que tinha acontecido e o que consegui foi uma visita agendada no dia 13/02.
Notaram bem? Do dia 05 ao dia 13 de fevereiro nada de TV, nem as que eu tenho direito, a TV aberta. Fora a codificação deles ter atingido também os canais da TV aberta.


Photobucket - Video and Image Hosting
burningman



Pois bem, o técnico veio, disse que o decoder zero bala estava quebrado. Alias, achei de uma conveniência ímpar o decoder quebrar justo no dia que o sinal foi cortado. O decoder foi trocado e o sinal voltou.
Completo?? Não, claro que não, a TV pega até o canal 25! Ou seja, tenho a maravilhosa Tv senado, a TV turfe, o canal de compras, mais alguns no mesmo nível e todos os canais da TV aberta. Fechem a boca senão entra mosca! Também pensei a mesma coisa: eles estão de sacanagem, né?
/
Não satisfeita, resolvi tentar a Ouvidoria (surda) da NET porque telefonar pra lá está impraticável. Escrevi, relatei o problema e qual não foi a minha surpresa ao receber um email com uma resposta padrão, genérica, que é mandada pra todos. Você pode escrever elogiando, xingando que o tal email será sempre o mesmo. Fiquei P da vida e escrevi de volta. Veio outro que apesar de não ser padrão, não chegou nem perto de solucionar o meu caso. Tornei a responder e ... SURPRESA!!!!! O email automático voltou!!!
/
Bom, finalmente eu entendi que eles não estavam nem aí. Que diferença faz se uma pessoa é assinante há mais de 10 anos da NET e do Vírtua? Nenhuma! Que diferença faz que essa pessoa podendo fazer gato, jamais, eu disse j-a-m-a-i-s, fez??? Nenhuma! Então só me restava entrar na justiça.
/
É o ponto em que estou. Como não tenho tempo pra acompanhar o processo, um colega meu está fazendo isso pra mim. Antes, porém, fiz uma pesquisa em todos os zilhões de sites de Direito que tenho nos meus favoritos e fui atrás de ações contra a NET, queria ter embasamento para fazer o pleito e não deu outra, estou embasada até a alma! Tenho decisões sobre a ilegalidade da cobrança de ponto adicional, inclusive aqui no RJ, ações sobre corte sem aviso prévio, danos morais e por aí vai.
/
Juntei a essa pesquisa, os emails trocados com a Ouvidoria (surda) da NET e o pedido que orientei o meu colega a colocar na Inicial. Vai desde danos morais até multas pelo corte, quebra de contrato etc.
/

Certamente não ganharei hum milhão e quinhentos mil reais como um assinante que reclamou da cobrança de ponto adicional ganhou e confesso que qualquer coisa que ganhe, não me dará nem metade do prazer que terei ao mostrar que cumpro com as minhas obrigações, mas quando não há contrapartida, sei brigar pelos meus direitos até o fim!
/

É isso, eu só queria que os meus quatro fidelíssimos leitores soubessem e caso tenham NET preparem-se porque logo, logo saberão a tradução literal de SAKVURZKA!
/
Ah! Essas imagens não querem dizer absolutamente nada. Foi apenas para descontrair o texto, que fiz questão de escrever de maneira bem-humorada, embora saiba que vai ser uma boa briga, mas como tudo na minha vida depois que decido e estou dentro, é matar ou morrer...portanto... me aguardem!







Photobucket - Video and Image Hosting
Joanne e Paul






`Love is in the air´







14/02 - Dia de São Valentim, padroeiro dos namorados;
Dia Mundial do Amor (EUA - Valentine's Day).






/

Isso de mim que anseia despedida
(Para perpetuar o que está sendo)
Não tem nome de amor. Nem é celeste
Ou terreno. Isso de mim é marulhoso
E tenro. Dançarino também. Isso de mim
É novo. Como quem come o que nada contém.
A impossível oquidão de um ovo.
Como se um tigre
Reversivo,
Veemente de seu avesso
Cantasse mansamente.

Não tem nome de amor. Nem se parece a mim.
Como pode ser isso?
Ser tenro, marulhoso
Dançarino e novo, ter nome de ninguém
E preferir ausência e desconforto
Para guardar no eterno o coração do outro.
Hilda Hilst





/

Eros e Psiquê





...

Existiu uma filha de reis, chamada Psique, que era belíssima, ao ponto, de despertar a inveja da própria deusa do amor, Vênus. Enciumada, Vênus, ordena a seu filho Eros, que vá até Psique, disfarçado, e a faça apaixonar-se pelo homem mais horrendo e vil da terra, como desforra contra a beleza provocadora de Psique.

Quando Eros encontra Psique, para cumprir a vingança, em obediência a sua mãe Vênus, descontrola-se diante da beleza da moça e, descontrolado, espetando-se nas próprias flechas, apaixona-se perdidamente por Psique. Os oráculos transmitem ao rei, pai de Pisque, a orientação de que ela deveria ser levada a um penhasco para viver dentro de um castelo à espera de um esposo. Eros aproveitava-se e à noite, disfarçado, passa a visitá-la para amarem-se, pedindo a Psique que não tentasse conhece-lo, evita-se vê-lo ou saber seu nome, porque somente assim a relação se tornaria eterna.

As irmãs de Psique, invejosas, convenceram-na que tal amor desconhecido seria na verdade um monstro disfarçado, uma serpente, que a mataria em determinado momento. A ingênua Psique, acreditando, preparou-se com um punhal, para na próxima noite cortar a cabeça de seu amante, o incógnito Eros. Após amarem-se, como de costume, ela decidiu mata-lo enquanto ele dormia. Mas, quando, ao pegar uma lamparina e iluminar a figura para melhor ataca-lo, viu o rosto dele e descobriu que seu objeto de amor era o próprio deus do amor, lindo e jovem, e nada de monstro, segundo a invenção das irmãs. Eros despertou, por ter-lhe caído uma gota de óleo quente da lamparina e viu-se descoberto. Sentindo-se traído em sua confiança, partiu imediatamente em vôo, encerrando a relação com Psique.

Psique, desamparada, tenta o suicídio e decide afogar-se, mas é salva pelo deus Pan. Este a aconselha a procurar uma cura para seu problema no próprio amor. Psique - que nada sabia sobre o plano de Vênus, a mãe de Eros - foi ao encontro dela, confiante, pedir apoio. A deusa mandou tortura-la de variadas formas, mas ao fim cedeu e decidiu entregar-lhe o filho caso cumprisse quatro tarefas: 1- Separar num dia uma montanha de sementes; 2 - Pegar a lã dourada dos carneiros do deus Sol; 3 - Pegar água de uma fonte guardada por dragões; 4 - Descer ao mundo dos mortos e pegar a caixa com a beleza da morte e entrega-la a Vênus.

Todas as tarefas foram realizadas, com apoio de muitas forças sobrenaturais, de deuses aliados e compadecidos, mas ao encontrar-se na posse da caixinha que continha a beleza da morte, Psique não resistiu à curiosidade e cometeu a imprudência de abriu-la. Nesse instante uma nuvem a faz cair em sono mortal. Enquanto isso tudo acontecia, Eros recupera-se de sua ferida, escapa da prisão e vai à procura de Psique, encontrando-a desfalecida. Com uma de suas flechas do amor, Eros desperta Psique. Casam-se, com a ajuda de Júpiter, e chegam a ter uma filha chamada Volúpia.





/

Photobucket - Video and Image Hosting
E o vento levou

/



Como tenho me matado

Por ter demais confiado nas evidências do amor.
Como tenho andado certo,
Como tenho andado errado
Por seu carinho inseguro
Por meu caminho deserto
Como tenho me encontrado
Como tenho descoberto
A sombra leve da morte
Passando sempre por perto
E o sentimento mais breve
Rola no ar e descreve
A eterna cicatriz
Mais uma vez, mais de uma vez
Quase que fui feliz
A barra do amor é que ele é meio ermo
A barra da morte é que ela não tem meio-termo.
Lourenço Baêta e Cacaso

//

/

O Amor: promessa e Dúvida
Marcia Tiburi


Amor é uma palavra que precisamos hoje usar com cuidado. Para os poetas é uma palavra bonita, para os conquistadores sexuais ou religiosos, é estratégica. De outro lado, é sincera tanto quanto é confusa, para muitos amantes que, adolescentes ou maduros, se perdem em suas promessas. Não há amor sem promessa de felicidade, já dizia Sthendal, escritor do século XIX. Amantes são aqueles que vivem em nome do amor, que o praticam à procura de um ideal de felicidade que só o amor parece realizar. Quem acredita nisto pode bem ser chamado de romântico.
Para os descrentes, porém, os que desistiram de amar, amor não passa de uma palavra em desuso. Algo nela pode soar a pieguice ou sentimentalismo. Melhor deixá-la de lado, pensa o decepcionado. Mera máscara sem rosto, rememoração do ressentimento de não se ter mais a realização da promessa na qual acreditara, o amor, para muitos, está fora da ordem. E, por isso, fora de moda e mesmo algo banal.


AMAR O AMOR, DUVIDAR DO AMOR

Além daquele que olha o amor com a dor que lhe restou há alguém que ainda crê no amor, ainda que seja seu crítico. Talvez o amor não tenha sido a parte feliz de sua sina e é melhor analisá-lo racionalmente como qualquer objeto. Nele pesa a voz de ilusão do amor interna a uma promessa ideal. Algo que faz duvidar dele. Ainda que ao duvidar se esteja buscando chegar, de algum modo, perto do amor. Só a dúvida poderia nos levar a ter esperança de, algum dia, chegar à certeza. O que há de mais certo sobre o amor, é, todavia, que ele é plenamente incerto. Mesmo assim pensar nele é uma prazer mais que romântico.

Neste caso, como palavra, o amor é menos substantivo e mais verbo. Intransitivo, o que simplesmente é e não se conjuga, como no título do romance escrito em 1923 por Mário de Andrade “Amar, verbo intransitivo”. Ama-se o amor, mais do que alguém que amar. Quer-se amar, amar é preciso, mais do que saber o que é o amor. Definir o amor é o que menos importa. Neste título, porém, há uma definição do amor, a de que ele é um sentimento que se vive, não importa quando, nem onde, nem em relação a quê.

Talvez o amor sobre o qual tanto falamos esteja hoje longe de nós à medida que confundimos a riqueza da expressão amor com a paixão. Falta-nos atenção ao amor quando o confundimos com a simples paixão que é o desejo autoritário e desenfreado por alguma coisa ou pessoa. É como se o amor fosse algo que nos toma e que não podemos compreender, quando muito ter sorte com ele, ou aceitar o sofrimento, a dor com cuja rima já não podemos deixar de vê-lo.


AMOR PLATÔNICO

O amor está presente no nascimento da filosofia. No período clássico da Grécia antiga, o amor é uma das questões mais importantes. Podemos dizer que a filosofia começa com a descoberta do amor. O amor é o que nos faz pensar. Na base do amor está o espanto, o encantamento. Para os filósofos antigos, o amor não é uma palavra complexa, mas três: eros, philia, ágape. Cada uma delas tenta designar um sentimento que é bem maior que a palavra com a qual é expresso. O sentimento nunca é simples, a palavra que o batiza também não.

Eros é o amor como desejo. Na obra de Platão trata-se de um sentimento que compõe a própria filosofia, o modo como se pode pensar. Não apenas desejo do belo, do corpo de outro, anseio de alegrias carnais, mas, sobretudo, é o sentimento que compõe o desejo de saber o que está para além do corpo. Quando se ama alguém, do ponto de vista platônico, se ama o que está além do que se vê. Se ama, inclusive, o que não se vê. Por isso, a curiosa expressão “amor platônico” tem uso corrente em nosso vocabulário. Com ela procuramos expressar o amor que vive de ser teoria sobre si mesmo. Ele se auto-alimenta. É uma espécie de amar como verbo intransitivo. Um amor sem prática, pura admiração, pura contemplação. Contemplação, ver algo, é o termo pelo qual se traduz a palavra “teoria”. Podemos dizer que o amor platônico é um amor teórico, um amor que se compraz em ver, olhar, pensar no que se vê. O que se vê, porém, não corresponde ao olho do corpo, mas ao olho da alma.


ALÉM DO AMOR

“Filia” significa amizade. Filosofia (Philia+Sophia) é uma espécie de amizade pela sabedoria. A amizade é próxima do desejo, pois ambos querem chegar os memso lugar que é o bem. Apenas é um pouco diferente de Eros, pois na Philia a racionalidade exerce sua força. Ela designa um passo além do desejo enquanto este é fortemente platônico e contemplativo. Na amizade constitui-se um laço que vai além do contemplativo ainda que dele precise, que ele permaneça em sua base. De um amigo queremos ficar perto por admiração e respeito. Ao mesmo tempo a amizade envolve a noção de companheirismo, de estar junto do outro. O amigo é o que se une ao outro em nome de algo comum.

Quando a palavra filosofia foi forjada no século V a.C. na escola pitagórica, ela se referia ao grupo de filósofos reunidos na prática de uma vida contemplativa, uma vida em nome da sabedoria. A filosofia era uma prática de vida que se realizava entre amigos. Ágape era o amor que se tinha por tudo o que existia. Era o amor desinteressado, o amor pela vida. Sobretudo, Ágape define uma amor pela natureza, é o amor altruísta. Amor que envolve uma determinada compreensão do mundo como morada do humano dentro do cosmos, como ordem da natureza e da cultura. Os gregos acreditaram no amor como uma potência essencial a tudo o que existia, assim como o cristianismo primordial. Como poderíamos hoje retirar o amor da banalização à qual foi lançado e restituir seu sentido maior, aquele que leva à liberdade humana? A resposta a esta pergunta exige o próprio amor.
Publicado na Revista Vida Simples. Outubro de 2006. Ed. 46. P. 56-57

/

/

Photobucket - Video and Image Hosting
Binoche

/

"Há de haver algum lugar, um confuso casarão
Onde os sonhos serão reais e a vida não.
Por ali reinaria o meu bem, com seus risos, seus ais, sua tez
E uma cama onde à noite sonhasse comigo, talvez
Um lugar deve existir, uma espécie de bazar
Onde os sonhos extraviados vão parar
Entre escadas que fogem dos pés e relógios que rodam pra trás
Se eu pudesse encontrar meu amor
Não voltava Jamais "
Chico Buarque e Edu lobo

/

Dá-me a Tua Mão

Dá-me a tua mão: Vou agora te contar como entrei no inexpressivo que sempre foi a minha busca cega e secreta. De como entrei naquilo que existe entre o número um e o número dois, de como vi a linha de mistério e fogo, e que é linha sub-reptícia. Entre duas notas de música existe uma nota, entre dois fatos existe um fato, entre dois grãos de areia por mais juntos que estejam existe um intervalo de espaço, existe um sentir que é entre o sentir - nos interstícios da matéria primordial está a linha de mistério e fogo que é a respiração do mundo, e a respiração contínua do mundo é aquilo que ouvimos e chamamos de silêncio.
Clarice Lispector

/

/

Amanhecimento


De tanta noite que dormi contigo
no sono acordado dos amores
de tudo que desembocamos em amanhecimento
a aurora acabou por virar processo.
Mesmo agora
quando nossos poentes se acumulam
quando nossos destinos se torturam
no acaso ocaso das escolhas
as ternas folhas roçam
a dura parede.nossa sede se esconde
atrás do tronco da árvore
e geme muda de modo a
só nós ouvirmos.Vai assim seguindo o desfile das tentativas de nãos
o pio de todas as asneiras
todas as besteiras se acumulam em vão ao pé da montanha
Para um dia partirem em revoada.
Ainda que nos anoiteça
tem manhã nessa invernada
Violões, canções, invenções de alvorada...
Ninguém repara,nossa noite está acostumada.

Elisa Lucinda

/

/

Photobucket - Video and Image Hosting
As pontes de Madison

/

Rubem Alves responde sobre o amor
Luíza de Andrade


Essa é a história de uma menina e de um pássaro encantado que se apaixonaram. O pássaro voava para longe e voltava sempre, contando histórias de onde passou. Sofrendo com as constantes partidas do amado, a menina resolveu prendê-lo. Engaiolado, o pássaro mudou. Perdeu as cores nas asas; ficou sem canto. A menina também se entristeceu e acabou por abrir a gaiola. O pássaro agradeceu e partiu e ela passou a ver o mundo como um lugar encantado. Começou a se enfeitar e a se fazer bela, sempre à espera de um reencontro.

A moral dessa história é sabedoria imprescindível aos amantes, apaixonados, casados e namorados; aos pais e aos filhos, aos avós, netos, amigos, patrões e empregados. Afinal, ela ilustra uma verdade defendida pelo escritor Rubem Alves: “Não há amor que resista a perda da liberdade. Se não houver liberdade, não existe possibilidade que o amor dure.”

Luíza de AndradeComo responder à pergunta de santo Agostinho: “O que amamos quando amamos alguém?”
Rubem Alves – Essa pergunta não tem resposta nem solução. Ela é terrível porque quer dizer que eu estou amando você por equívoco, já que você é apenas o espelho onde uma outra coisa aparece. O que eu amo na realidade é essa outra coisa. Você, eu amo indiretamente. Pode até ser que eu deixe de amar você no dia em que eu perceber que este obscuro objeto de desejo não está mais sendo refletido em você. Os namorados têm que se acostumar com isso.

Luíza de Andrade – Aprender a viver junto é aprender, primeiro, a viver só?
Rubem Alves
– As pessoas que não sabem viver sozinhas estão o tempo todo mendigando aprovação das outras. É preciso aprender a viver só, aprender a fazer silêncio, para poder conviver com o outro, porque dentro de cada um mora uma grande solidão. Há um lugar dentro da gente que ninguém vai, somente nós. E nem nós mesmos sabemos como é esse lugar. Então temos que aprender a respeitar a solidão do outro e a nossa própria solidão. Há pessoas que não suportam a solidão do outro, acham que, quando o outro quer ficar sozinho, é uma indicação de que ele não está amando. Não é nada disso.

Luíza de Andrade – O senhor já disse que o amor se revela a coisa mais triste quando descobrimos que não amamos quem pensamos amar e só nos resta alimentar da nostalgia que “rosto algum poderá satisfazer”. O amor está fadado sempre a viver de nostalgia?
Rubem Alves – Há um verso da Adélia Prado que diz “O amor é a coisa mais alegre, o amor é a coisa mais triste, o amor é a coisa que eu mais quero.” O amor está fadado a uma nostalgia pelo fato de que a gente sabe que o desejo da gente é possuir a pessoa amada. A sabedoria nos mostra que não é possível possuir nada, nem mesmo a nós mesmos. Então, porque eu nunca possuo, existe sempre uma pitada de nostalgia, sabe? É precisamente essa pitada nostálgica que torna o amor belo. O amor desapareceria se houvesse a certeza da posse.

Luíza de Andrade – Não é possível desejar quem está conosco e ser feliz, ao invés de sofrer com uma paixão correspondida?
Rubem Alves
– Penso que é uma coisa muito boa a gente estar feliz com uma paixão correspondida. Tudo isso que eu falei não quer dizer que a gente não tenha a felicidade em uma paixão correspondida. Só que a gente nunca pode ter certeza. É como se tivesse um passarinho no dedo, mas o nosso desejo é botá-lo na gaiola. É aquela história da menina e do pássaro… Eu me lembrei agora da frase do apóstolo Paulo, do Novo Testamento, em que ele diz: “Tendo como se não tivesse.”

Luíza de Andrade – Isso se aplica a todos os relacionamentos que envolvem afeto?
Rubem Alves – Claro. Veja a questão dos filhos. Quando era mais jovem, meus filhos estavam naquela fase difícil da adolescência. Saíam, passavam a noite inteira fora, era perigoso. Vários filhos de amigos nossos morreram em desastres, em confusões, era aquela angústia permanente que eu tinha. Até que um dia me dei conta de que precisava aceitar a possibilidade da morte dos meus filhos. Do contrário, estava perdido. Meus filhos podem morrer a qualquer momento, a pessoa amada pode morrer a qualquer momento. Ou pode simplesmente ir embora… O que é pior do que morrer. Quando ela morre, fica minha, sabe? Se ela morrer eu sei que não vai me trair com ninguém. Está guardadinha na fotografia. Tem aquele poema do Cassiano Ricardo em que ele fala: “Por que é que mais me comove o seu retrato quando você mesmo está presente? É porque ele está eterno, fixado, fora do tempo.” A possibilidade da perda existe, temos de aprender a conviver com ela. Se eu tiver medo de perder meus filhos, a minha tentação vai ser colocá-los em uma gaiola para que eles não se percam e, ficando numa gaiola, aí é que eles se perdem. É muito esquisito, mas tenho que aceitar o sofrimento de saber que eles podem voar e nunca mais voltar. Então tem sempre uma pitada de tristeza. Adélia estava certa.

Luíza de Andrade – O poeta Drummond diz que “amor com amor não se paga”, o que pode ser traduzido também pelo verso da música “Amor e Sexo” da Rita Lee: “Amor é um, sexo é dois.” Amar é solitário?
Rubem Alves – O poema do Drummond diz que todas as coisas do amor são gratuitas, você não paga nada. O caso é o seguinte: quando estou amando, posso amar sem ser amado. O amor pode ser solitário. O amor pode ser um ou pode ser dois. O amor que é apenas um é triste, pois não tem correspondência. A felicidade vem exatamente quando você tem os dois. Aí sexo fica sendo coisa de dois, porque é coisa do amor.

Luíza de Andrade – O que o senhor acha das cartas de amor?
Rubem Alves – Acho comovente. Tem uma tela do pintor Vermeer que é uma mulher lendo uma carta. É um quadro que tenho no meu quarto. A carta só tem sentido quando os dois estão separados. A carta é um sinal de solidão. A gente escreve não para dar informação. As informações não têm a menor importância, porque elas não fazem parte da essência da carta de amor. O que faz uma carta de amor é o fato de que um tocou aquela folha e o outro vai tocar a mesma folha de papel. Assim, você toca a carta, mas o outro não está lá. É por isso que a carta de amor tem essa beleza triste.

Luíza de Andrade – O senhor também a compara ao telefone.
Rubem Alves
– Você não pode deitar com o telefone, nem abraçá-lo. Aí, a gente só fala coisas bobas. Numa carta você pode dizer que passou por uma rua, sentiu cheiro de jasmim, tantas coisas assim. No telefone, parece que essa intimidade é perdida porque ele não tem poder para guardar o amor.

Luíza de Andrade – Como fica o amor nos tempos da Internet?
Rubem Alves – O problema é que, mesmo se você imprimir o e-mail, não é possível guardar um perfume. Falta ao e-mail esse poder mágico das cartas de amor, mas é claro que você pode usá-los. Mas há desvantagens: na carta, você sabe que há intervalos e é nessa distância que acontece a saudade. O e-mail é tão fácil que não deixa isso acontecer. Por outro lado, têm possibilidades que a gente não explora. No filme “Alguém tem que ceder”, há uma hora deliciosa que os personagens estão na cama e começam a se comunicar por Internet. E aquele se comunicar pela Internet é o início de um comunicar-se pela pele.

Luíza de Andrade – Que papel é relegado ao amor e ao sexo na velhice de homens e mulheres?
Rubem Alves
– Acho que existe muita fantasia sobre o fato de que os velhos não têm mais desejo e poder sexual. Eu acho que eles não têm desejo porque a vida vai ficando tão chata e a relação vai ficando tão frouxa, sem sentido, que realmente as pessoas não têm desejos umas pelas outras. O problema não é hormonal. Eu me lembro de um caso gozadíssimo de um senhor de Minas, que era casado e muito respeitado. Era um casal símbolo da solidez. Mas a mulher dele morreu. Ele já estava com uns 70 anos e resolveu arrumar umas namoradas muito atrapalhadas. Até que a família se reuniu para dar um “chega pra lá” nele. Ele olhou para a família, deu um tapa na mesa e disse: “Eu tenho minhas necessidades sexuais. Está encerrada a conversa.”

Luíza de Andrade – Em uma crônica, o senhor fala que “o nosso desejo é sempre o de engaiolar o outro e levá-lo para caminhos que são nossos”. Há outra possibilidade de relação?
Rubem Alves
– Isso acontece nesse momento entre nós. Você está me fazendo perguntas que são sobre os meus caminhos. E, querendo ou não, quando falo, estou tentando mostrar a você como eles são. Todos nós, o tempo todo, falamos sobre nós mesmos. Isso acontece não só no falar. Eu brinco que tenho vontade de inaugurar uma nova técnica de psicanálise em que o psicanalista pede que a pessoa leve à análise as fotografias que tirou no último ano. E nas fotografias dela está revelado o que ela considera como realmente importante. Porque quando eu fotografo, faço uma escolha.

Luíza de Andrade – É mesmo preciso que haja saudade para que o amor cresça? Um cotidiano feliz não pode ser, ao contrário, o que aproxima as pessoas?
Rubem Alves – O cotidiano é terrível. A Lya Luft escreveu, depois que o amado dela morreu, o Hélio Pelegrino, que, como eles viveram pouco tempo, não houve tempo para a banalização da relação. O amor vive muito de fantasia, de encantamento. O cotidiano faz isso: a gente olha para a pessoa sempre tendo o perigo de se perder o encanto. Não acredito que haja uma relação amorosa que seja só de encantamento. Mas acho que uma relação amorosa que não tiver, de vez em quando, uma experiência de encantamento, é uma relação amorosa que não vai durar. Você me perguntou se eu acho que é possível viver junto amando. Eu acho que sim. Mas isso só é bom se preservar essa relação de encantamento e os dois não virarem sócios na empresa chamada casa, matrimônio.

Luíza de Andrade – O senhor evoca As Mil e Uma Noites para dizer que a arte de conversar é a sexualidade sob a forma da eternidade: É o amor que ressuscita sempre, depois de morrer. A conversa é a solução para um amor duradouro?
Rubem Alves – É preciso dizer o seguinte: não adianta falar “ah, vamos dialogar”. Eu brinco sempre com a minha mulher, quando um está meio ruim com o outro, que é conversando que a gente se desentende. Tem que dar um tempo. Mas a relação amorosa acontece exatamente na conversa, quando você pode levar o outro para os seus caminhos. É a conversa que abre para o mundo interior, o que seduz a outra pessoa. Mas isso não quer dizer “vamos dialogar”, meio mecânico. Isso não funciona. Há determinadas coisas que não têm técnica, a gente precisa prestar atenção. É prestando atenção que a gente percebe quando é hora de falar e de se calar.

Luíza de Andrade – Qual o segredo do amor que não se apaga?
Rubem Alves – Há muitos casamentos que são equívocos e é bom mesmo que se desfaçam para as pessoas terem outras oportunidades na vida. Agora, o segredo de você ficar amando, isso eu não sei. É preciso aprender a viver sozinho, a fazer silêncio. Assim, a gente pode conviver com o outro. A possibilidade de perda sempre existe e temos que aprender a lidar com ela também. Quem a gente ama pode voar a qualquer momento…

Luíza de Andrade – Qual o recado do senhor para os namorados?
Rubem Alves – O que digo é que, por favor, leiam a história da menina e do pássaro encantado. Porque a coisa mais terrível nos namorados jovens é a tentativa de controlar, de engaiolar. E não há amor que resista à perda da liberdade. Ela é mais importante que o amor. A liberdade é o ar que o amor respira. Se não houver liberdade, não existe a possibilidade de que o amor dure.

/

Photobucket - Video and Image Hosting
Spencer Tracy e Katharine Hepburn

/

Feliz Dia Mundial do Amor pra vocêSS


/
/
2000 - Morte: Charles M. Schulz, cartunista norte-americano, aos 77 anos, criador do Charlie Brown e s Peanuts.
/
/

Photobucket - Video and Image Hosting

Photobucket - Video and Image Hosting




"Tarde demais para esquecer"
/

Paulo Francis



“Gosto que me leiam e saibam o que acho das coisas. É uma forma de existir. Trabalho é a melhor maneira de escapar da realidade”

/

"Acho que aguentei viver tanto tempo no Brasil porque estava em estado etílico a maior parte do tempo. É muito se 3% da população tem proteinas e meios para atuar na vida pública. O Brasil sempre foi a casa da mãe-joana de elites sub-reptícias que fazem o que querem"
/

"Dizem que ofendo as pessoas. É um erro. Trato as pessoas como adultas. Critico-as. Crítica não é raiva. E crítica, às vezes, é estúpida"
/


/"Acho ridículo andar com uma calça que tenha o nome de alguém na minha bunda. Bunda que mamãe beijou vagabundo nenhum põe tarja."

/

/

Pelas frases acima já dá para perceber de quem se trata e eu prometo não escrever “o polêmico Paulo Francis”... Seria lugar comum demais para ele. Essa alcunha já foi tão usada que parecia parte de seu nome. E Paulo Francis era muito mais do que isso.No domingo passado, dia 04 de fevereiro, o "Manhattan Connection", fez uma retrospectiva da participação de Paulo Francis no programa e lá se vão dez anos de sua morte.
/

"Dizia verdades definitivas sobre física quântica, mas não sabia arrumar a própria mala. Cometia erros incríveis em artigos em que xingava de burro. Exibia-se como um pavão para as câmaras de TV, mas era de uma timidez atroz. Grosso, agressivo e destemperado por escrito, era uma flor no contato pessoal. Tinha dezenas de amigos, mas dava a impressão de ser um solitário. O aparente ranzinza tinha um senso de humor de moleque. Em quase quarenta anos de presença constante na imprensa, milhões de leitores não conseguiam escapar da sua argúcia, da sua cultura, de seus juízos peremptórios e surpreendentes. Era admirado, odiado, imitado. Paulo Francis parecia que não ia morrer nunca. E, no entanto, na manha de terça-feira passada, lá estava ele, estendido na sala de seu apartamento em Nova York , metido num pijama verde que achava horrível, derrubado por um ataque cardíaco. aos 66 anos.”


Assim começa a extensa reportagem feita pela Veja do dia 12 de fevereiro de 1997. Óbvio que não o conheci pessoalmente, mas acredito ser essa a descrição mais completa sobre essa persona chamada Paulo Francis.Comecei a assistir "Manhattan Connection", por causa dele e confesso um caso de amor e ódio latente por suas opiniões, deboche e aparente descaso em seus comentários. Mas também posso dizer que assim como meu amor é para pouquíssimos, meu ódio idem. Não odeio qualquer um. Odiar é quase tão sério quanto amar. É preciso que o outro, o odiado tenha qualidades fundamentais para tanto e ele tinha. Muitas vezes sentia vontade de esganá-lo, outras, em especial quando encantado falava de um balé, uma música e sobretudo cinema, queria poder sentar por perto e ouví-lo em detalhes. Pessoas especiais são assim.

/

“(FSP, 19/07/90) - Brando, Marlon - Brando foi um dos homens mais bonitos do século. Sua beleza está registrada indelevelmente em filmes como Espíritos indômitos, The men, e Uma rua chamada Pecado. A street-car named Desire. Brando tinha movimentos de felino. Ele sempre disse que foi o fato de lhe quebrarem o nariz, numa luta de boxe, entortando-o, que o fez ter um rosto diferente. Waaal, os traços dele são muito bons, os olhos são fundos e, claro, talento não se explica. Queimava o resto do elenco em Espíritos indômitos pelo simples ato de olhar para eles. Em uma rua chamada Pecado, quando o estão gozando por suas maneiras rudes, ele dá com a mão num prato e, já observei várias vezes, apesar de o filme ser em preto e branco, ele fica pálido de raiva. É a extraordinária capacidade de auto-introspecção de Brando e sua capacidade de projetá-la que o tornaram unicamente célebre. Ele não precisava fazer nada, apenas ser em cena.”
/

Cinema. Taí uma grande paixão compartilhada. Tenho em meus arquivos muitas notas, comentários, fragmentos de textos que ele escrevia sobre cinema. Assim como eu, amava os clássicos, onde o preciosismo nos detalhes dos figurinos, os diálogos, a música e sobretudo a falta de (d)efeitos especiais eram observados nos mínimos detalhes.Gostava das grandes atrizes, de Woody Allen e...pausa para um suspiro, do filme “Tarde demais para esquecer”.
Ah! Pensou que estava no título só para ficar bonitinho? Não, na verdade, o post é pelo aniversário dos dois. Esse era um dos inúmeros clássicos que ele apreciava, e eu também, claro.

“Tarde demais para esquecer” (An Affair to Remember, 1957) completa cinqüenta anos em 2007. Alias, em plena forma. Típico cinemão hollywoodiano conta a história de Nickie Ferrante (Cary Grant) e Terry McKay (Deborah Kerr) que se conhecem em um transatlântico e se apaixonam perdidamente. Comprometidos com outras pessoas, eles combinam de se encontrar no Empire State Building, mas aí...bom aí, comprem o filme, aluguem e sobretudo escutem a música tema que embala o romance, seus desencontros e fatalidades. Uma delícia que pretendo rever neste final de semana, até porque a NET resolveu deixar o bairro onde moro sem sinal para nos obrigar a mudar para o sistema digital, obviamente muito mais caro. Mas esse é outro assunto e eu não quero comprometer o meu fígado com bobagens, nesses casos prefiro álcool.



Mas voltemos ao Francis e um trechinho sobre o Oscar de 1990. Trechinho onde ele destila de um modo próprio e muitas vezes abominável seus pensamentos.


“(FSP, 29/03/90) - EUA - Não vi quase nada dos Oscars. Os três filmes mais interessantes, "Crimes and Misdemeanors", traduzido imperdoavelmente, e tautologicamente, para "Crimes e Pecados", "Faça a Coisa Certa" e "sexo, mentiras e videotape" não foram sequer citados. "Conduzindo Miss Daisy", esse "conduzindo" é nosso pedantismo chulé sempre, por que não dirigindo ou guiando? É uma bobagem sentimental. A mensagem do filme, se existe alguma, à parte gracinhas raciais que Jessica Tandy e Morgam Freeman às vezes enchem de realidade, é que no feudalismo as raças se entendem no Sul. Nem assim. Melhor restabelecer a escravidão, criar um Estado separado para os negros, ou exportá-los para a África. Que essa joça seja considerada melhor do que o filme de Woody Allen ou os dois outros de Spike Lee ou de Soderbergh, mostra que o filistinismo sentimental está forte e sacudido em Hollywood. Sei que o filme veio de uma peça, mas é claramente um artigo de televisão, desses que os críticos admiram porque "roçam a realidade", entre os comerciais de camarão e hambúrguer e os remédios que se precisa tomar em caso de indigestão provocada pela ingestão dos ditos cujos. Mas olhei a hora do prêmio dos atores, a única disputa interessante (comparar Michelle Pfeiffer, completamente inexpressiva e sem jeito em todos filmes que faz, e especialmente em "The Fabulous Baker Boys", e Jessica Tandy, criadora do papel de Blanche du Bois, na Broadway, com Marlon Brando de Kowalski, 1947 ou 1948, é coisa que nem Hollywood ousou).
Kenneth Branagh apareceu, sublime no grande monólogo de Henry 5º em Agincourt, "We few, we happy few, we band of brothers", que ele enuncia como se imaginasse a solidão dos 1300s, quando o homem sabia pouco sobre o seu destino, mas se sentia sem ele, ao contrário de hoje, que sabemos tudo e nada dominamos, e com voz dolente que nos toca a alma, "We few, we happy few..." não é que o boçal do editor de imagens do "show" resolveu "freezar" Kenneth Branagh, sem deixá-lo dizer a última frase, "we band of brothers"? Isso só poderia acontecer aqui, em the US of América, com dizem, e, claro, aconteceu. Mas Daniel Day Lewis, filho do estimável Cecil Day Lewis, alguém ainda lembra, ex-comuna indiferente, autor de romances de mistério, com Nicholas Blake de pseudônimo (legíveis, o que gosto nos ingleses é que preferem jornalismo ou literatura popular, a se enfurnarem na academia)?
Mas, repito, Daniel Day Lewis é grande, e "Meu Pé Esquerdo", apesar de ser uma "saudação à coragem dos que sofrem handicaps intoleráveis" (só falta a cara boba de Audrey Hepburn fazendo um apelo pela Unicef), esse lugar-comum mundo cão de cinema e televisão, até que é bem passável. Ri bastante. E Day Lewis, insisto, é esplêndido, se bem que seu "Hamlet", no National Theatre, não foi muito bem-recebido. Ator inglês, sem sucesso em teatro, não existe na Inglaterra, ao menos. Agora começará a tentação de Day Lewis. Uma carreira bocó em Hollywood, tipo Tom Cruise (compare a bobice, a "sinceridade" postiça desse, com a cara vivida do seu contemporâneo Kenneth Branagh, e você tem a diferença entre Europa e os EUA. Cruise é um menino em que a mãe e a ex-mulher, mas velha do que ele, Freud explica, punham talco na bundinha. Não sofreu nada em "Nascido em 4 de Julho". Tudo é postiço até a alma), ou ser um ator real? A cara corrupta e drogada de Oliver Stone. Enfiou a cena em que Kovic, Tom Cruise, vai visitar a família do cara que matou por engano. Nem Kovic, um narcisista do tamanho de um bonde, um bebê chorão, teve coragem de colocar na sua autobiografia escrita. Mas Stone põe tudo. E falou do "Vietnã" universal porque não quer queimar seus botes com os conservadores de Hollywood, que sabem muito bem que ele só fatura os crimes dos EUA. Mas não lhe deram o prêmio de melhor filme. Bem feito, teu nariz tem defeito.”

É por essas e muitas outras que Paulo Francis ainda é lembrado. Jornalismo crítico sem papas na língua, o que alias de certa forma o levou à morte tão cedo, tinha apenas 66 anos. Hoje já sabemos que ninguém conseguiu imitá-lo ainda que continuem tentando como o nosso genérico Diogo Mainardi e nunca vão conseguir. Ser reaça, é mole, agora ter estilo, embasamento, cultura e humor, é outro papo!

/

"Tomei todas as drogas, nunca me viciei em nenhuma e todas me deram o maior barato. Nunca senti vontade de atrelar minha vida a uma substância, por falsa euforia"
Na Folha; 13/08/89

/

"Sei que é meio chocante que eu vou dizer, mas eu prefiro a solidão dos livros ao contato com as pessoas. As relações humanas são sempre complicadas, não importa se com homens ou com mulheres. Eu sou um homem muito tímido."
Em "O Estado de S.Paulo" e "O Globo", 18/8/96

/

Leia mais aqui.