Amor pleno - Flavio Gikovate




Os que estão mais preparados para um relacionamento amoroso correspondido buscam um parceiro com igual disposição e essa já é uma afinidade!
Quem ousa mergulhar numa relação correspondida experimenta um medo difuso e aparentemente inexplicável: apesar da intensidade, é inofensivo.
O medo que acompanha as relações amorosas onde existem enormes afinidades é bom indício: os que o enfrentam viverão uma história fascinante.
Paixão é o amor intenso entre pessoas afins associado ao medo. Quando o medo se atenua e a dependência inicial também, vive-se o amor pleno.
O elo amoroso de boa qualidade surge entre pessoas afins e ponderadas: é isento de brigas, desrespeito, intolerância e tolera as diferenças.
As relações de qualidade tornam os parceiros íntimos e cúmplices; conhecem os pontos fracos um do outro e jamais se valem disso contra eles!
As relações amorosas entre afins se aproximam mais que tudo das amizades, talvez a mais madura e sincera forma de interação entre os humanos.
Os casais que são, ao mesmo tempo, amigos e amantes vivenciam algo que é bem mais do que amor (no sentido usual do termo): esse é o +amor!
Flavio Gikovate


1 comentários:

    On domingo, 12 abril, 2015 Anônimo disse...

    Oi Andrea
    Visitando seu espaço e feliz por vc ter voltado a postar. Saudades das suas poesias, Andréa.


    abs
    Julio