Ética ou não...talvez.

 
Então, hoje eu estava pensando que não deveria ser tão ética. Desejei ser filha de alguém que tivesse um negócio qualquer. Eu trabalharia lá e ganharia uma fábula sem fazer nada o dia todo. Conheço vários assim. Não sentiria culpa, mas secretamente me tornaria o que realmente desejo ser: uma escritora. Escreveria freneticamente durante o expediente. Um dia depois de publicada, viveria disso e deixaria meu cargo para alguém de real valor. Acho justo.
 
 
 
 
 
 

2 comentários:

    Li e pensei no muito que temos em comum: os mesmos desejos e anseios, a mesma frustração, a mesma desilusão.
    Avante, amiga, o Universo não se compadece dos pensamentos tristonhos. Parece que na Bíblia se encontra a frase - Pede e o Universo te dará. Só não está exarado que devemos pedir acreditando e não desistindo à partida.
    Vamos acreditar nos nossos sonhos de escritoras, nas nossas capacidades?
    Bem haja por me relembrar do meu sonho adormecido.
    Abc
    Laura

    Na verdade, Laurita, esse é um texto de humor, um desabafo bem humorado pq vivo isso onde trabalho. Realmente o mundo corporativo não é justo! rssss

    bjos querida e obrigada pela visitinha!