/

É dia de Al Pacino.
Pacino nasceu no dia 25 de abril de 1940, em Nova York, EUA. Filho único de Salvatore Pacino, um agente de seguros, e de Rose Pacino. Os pais de Al se divorciaram quando ele tinha apenas 2 anos e ele e sua mãe foram morar com os pais dela num bairro pobre, perto do zoológico do Bronx. Seus avós são da região de Corleone, na Sicília, coincidentemente, o sobrenome do personagem que elevou o nome de Pacino ao status de astro. Mas isso só aconteceria muito mais tarde.


Antes viveria uma infância pobre e superprotegida pelos avós. Tão superprotegido que só saiu a rua sozinho aos 7 anos de idade.
Ainda pequeno interessou-se pelas artes cênicas. Reza a lenda que costumava contar histórias fantasiosas sobre sua vida com riqueza de detalhes. Talvez para fugir da realidade na qual vivia.
/
Não foi um aluno brilhante, na verdade era reprovado em todas as matérias, menos inglês. Desmotivado, largou os estudos aos 17 anos e foi tratar da vida. Passou por vários empregos chegando até a ser porteiro do Carnegie Hall.
/
A sorte começaria a mudar quando ele começou a fazer bons cursos de teatro. Estudou no Herbert Berghof Studio (N.Y.) e no conceituado Actor's Studio, onde aprendeu bastante com o lendário Lee Strasberg. Foi assim que chamou atenção para si e os convites começaram a surgir.
Sua estréia foi com com "Me, Natalie"(1969) e "Os Viciados"(1971), trabalho para o qual realizou uma intensa pesquisa sobre os hábitos dos usuários de heroína.
Tendo sido muito bem recebido pela crítica, Al Pacino recebeu um convite que mudaria sua vida. Foi convidado para interpretar Michael Corleone em "O Poderoso Chefão"(1972). Com 1,68 de altura, Al, sofreu bastante resistência dos produtores contrários a sua
escalação. Acabou vencendo e convencendo que era capaz de desempenhar papel tão importante.
/

Vários sucessos viriam depois. As continuações de "O Poderoso Chefão", "Sérpico", o excelente "Scarface" etc. Mas foi somente em 1992 com o filme "Perfume de Mulher", que Pacino ganharia o merecido Oscar.
Mas Al também ficaria famoso pela recusa de grandes papéis.
Papéis em filmes de sucesso como: "Kramer vs. Kramer"(1979); "Nascido em 4 de Julho" (1989); "Apocalypse Now" (1979); "Uma Linda Mulher" (1990); "Maré Vermelha" (1995); o papel de Han Solo, em "Star Wars". Sobre a recusa em "Apocalipse Now", Pacino alegou que faria qualquer coisa por Francis Ford Coppola, o diretor do filme, menos ir à guerra. E lá se foi mais um belo papel que poderia ser dele.
/
Discreto na sua vida pessoal, Al Pacino nunca se casou, mas nem por isso se privou de deixar herdeiros. Com Beverly D'Angelo, teve os gêmeos Anton e Olivia, no início de 2001. Além dos gêmeos, Pacino tem uma outra filha, Julie Marie, fruto de seu relacionamento com a professora de interpretação Jan Tarrant.
Vida longa para Al Pacino.

2 comentários:

    Porque hj é domingo, vim te ver.
    Legal o Hugo, não conheço, estou sem Sky :(
    Obrigada pela visita e espero que ganhe o livro de Clarice, é caro p nós, mas vale, é grande, cheio d efotos e textos pequenos, uma delícia.
    Bjs querida, Laura

    Perdoe-me por não comentar sobre o post, mas fiquei tanto tempo perdida aqui lendo, há horas, os poemas que estou cheia de versos e de agradecimentos por este belo trabalho de puro amor que você constrói e nos dá de presente.
    Obrigada.

    beijos, boa semana.