O SILÊNCIO DESCE SOBRE CACILDA
Publicado na Folha de S. Paulo, domingo, 15 de junho de 1969.


— Zimba, nós vamos ter um trabalho infernal.
Era assim que Cacilda Becker dizia para Zienbisnky, sempre que se iniciavam os ensaios de uma peça. Zimba era o tratamento afetuoso para o ator e diretor, que a ajudou a se tornar a primeira atriz do teatro brasileiro.
— Ela dizia que teríamos um trabalho infernal mas dizia com um brilho de alegria nos olhos. Sempre teve um fogo sagrado ardendo dentro daquele corpo frágil, uma paixão mística pelo teatro.
A vida de Cacilda Becker foi a historia de uma vontade apoiada em nervos e coragem e inteligência. Sua carreira se confunde com a própria evolução do teatro moderno brasileiro, que ela enriqueceu com seu talento de atriz no impecável desempenho de papeis difíceis e na encenação de algumas das obras da dramaturgia contemporânea.
Uma mulher pertinaz, que levou ao palco a romântica Marguerite Gauthier, a "Dama das Camélias", a toxicomana Mary, de "Longa Jornada Noite a Dentro", a neurótica Marta, de "Quem tem medo de Virginia Woolf", ela foi brutalmente surpreendida entre um ato e outro, no dia 6 de maio, de "Esperando Godot", na qual representava Estragon, ao sofrer um derrame cerebral.
Paulista de Piraçununga, Cacilda Becker nasceu em06 de abril de 1921. Cedo, conheceu a pobreza que não deveria abandoná-la durante anos. Ela e as irmãs Cleide e Dirce ficaram com a mãe quando os pais se separaram. Juntas, vieram para Santos, onde a vida era difícil. Mesmo assim, Cacilda conseguiu fazer os estudos de ballet, sua primeira vocação artística. Antes do teatro, um diploma de professora e, em São Paulo, o emprego de escrituraria numa firma de seguros.
Com 20 anos, vai para o Rio disposta a iniciar a carreira de atriz. Supera as dificuldades, domina a própria fragilidade e conquista uma oportunidade no teatro, que só deixaria atingida pela adversidade. Do palco Cacilda só sairia, anos mais tarde, carregada de maca, para o hospital.

A entrega de Cacilda às personagens era lendária. Para fazer o garoto de "Pega Fogo" enfaixava a região dos seios com tiras largas de esparadrapos. Depois de uma semana de representação, a pele saiu e ficou a carne viva. Ela teve de se enfaixar com tiras de pano. Cacilda sempre fazia esses sacrifícios. Quando foi montada "Maria Stuart" sofreu dores nos rins porque a roupa era pesada demais e a peça durava 3 horas e 15 minutos. Aos sábados fazia três sessões e, no domingo, duas.
Exauria-se de cansaço. Representou "Arsênico e Alfazema" grávida de sete a oito meses.

Cacilda Becker foi a nossa primeira e grande atriz até a última fala do 1º ato de "Esperando Godot", na tarde de 6 de maio. Não voltou para o segundo ato. Saiu do camarim carregada para o hospital. Só o derrame cerebral pôde vencer a força contida naquele físico delicado. No dia 14 de junho viria a falecer.
Restou o palco vazio, a cena cortada e a lembrança de uma atriz, um monstro sagrado que os Deuses do Olimpo resolveram resgatar.


Leia: http://www1.folha.uol.com.br/folha/almanaque/ilustrada_15jun1969.htm

0 comentários: