T.S.Eliot
Histeria

"Enquanto ela ria eu percebia me envolver em sua risada e fazer parte dela, até que seus dentes eram apenas estrelas acidentais com um talento para cadência em conjunto. Eu era sugado por curtos arfejos, inspirado a cada recuperação momentânea, perdido finalmente nas negras cavernas de sua garganta, ferido pelas contrações de músculos invisíveis. Um idoso garçom de mãos trêmulas estava espalhando apressadamente uma toalha quadriculada rosa e branca sobre a mesa de ferro verde-enferrujado, dizendo: "Se a madame e o cavalheiro desejam tomar seu chá no jardim, se a madame e o cavalheiro desejam tomar seu chá no jardim..." Eu decidi que se o balançar de seus seios pudesse ser interrompido, alguns dos fragmentos da tarde poderiam ser recolhidos, e eu concentrei minha atenção com cuidadosa sutileza para esse fim."
T.S.Eliot




Thomas Stearns Eliot nasceu em St. Louis, Missouri, Estados Unidos, a 26 de setembro de 1888, e faleceu em Londres, com 76 anos de idade, a 4 de janeiro de 1965. Os Eliots eram descendentes de emigrantes ingleses.
Seu dedicava-se aos interesses industriais da família. Sua Henry Ware Eliot e Charlotte Chauncey Stearns, pais do poeta, casaram-se em 1868. Henry Ware diplomou-se pela Universidade de Washington, mas acabou por dedicar quase toda a sua vida aos interesses industriais da família, tendo chegado inclusive à presidência da Hydraulic Press Brick Company of St. Louis. A mãe, de rica família pertencente à aristocracia mercantil de Boston, era mulher intelectualmente dotada, possuidora de boa cultura humanística e de algum pendor literário.
Sua primeira influência literária, com certeza foi ela. T.S.Eliot tornou-se crítico, ensaísta e dramaturgo sendo um fenômeno de permanência literária da nossa época.
Sua vida no entanto esteve longe de ser um mar de rosas.
Eliot casou-se com Vivien que sofria de nevralgia, cólicas menstruais, desmaios, subnutrição, "catarro dos intestinos", gripe séptica, paralisia, histeria, ataques de pânico, paranóia, obsessão que a obrigava a lavar as mãos constantemente e também era maníaco-depressiva. Ela desgraçou a vida de Eliot tanto quanto ele a dela. Tranqüilizantes, principalmente morfina e éter, parecem ter prejudicado em vez de ajudar.

Vivien tornou-se uma esposa possessiva. Ela gostava de embaraçar Eliot diante dos amigos e o incentivava a se afastar de muitos deles. Conrad Aiken conta que jantou certa vez com o casal. Vivien parecia um espantalho "trêmulo e hesitante", que trocava farpas cheias de ódio com o marido.
Certa vez, Edith Sitwell encontrou-a por acaso na rua. Vivien respondeu ao seu cumprimento dizendo-lhe: "Não, não, você me confundiu novamente com aquela mulher terrível que se parece tanto comigo e que sempre me mete em confusão." Ela disse a Virginia Woolf que guardava vespões debaixo da cama e a acusou de ter um caso com Eliot. Corriam rumores que andava com uma faca na bolsa.

Foi o grande inferno de sua vida. Inspiradora fase ruim. Sua peça, "A Reunião de Família" conta a história de um lorde inglês impelido pelas fúrias modernas a expiar a trágica morte da mulher é o que mais chega perto de uma obra-prima.
De certa maneira, Eliot exorcizava sua relação trágica com a esposa.
Mais tarde quando Eliot soube que ela morrera internada em 1947, pôs a cabeça entre as mãos e gritou: "Ó, Deus! Ó, Deus!"

Nos anos 20 e 30, Eliot foi de fato um "pedante insuportável", uma figura distante, intelectualmente arrogante, consumido pela culpa decorrente da aversão que sentia por sua mulher intolerável. Talvez, essa fosse sua defesa e única maneira de não sucumbir à loucura.
Ainda assim, o poeta alcançou alguma felicidade ao lado da segunda e última esposa, responsável, segundo alguns biógrafos pela suavização da obra dele em seus últimos anos de vida.


"A poesia não é uma liberação da emoção, mas uma fuga da emoção; não é a expressão da personalidade, mas uma fuga da personalidade. Naturalmente, porém, apenas aqueles que têm personalidade e emoções sabe o que significa querer escapar dessas coisas."

T.S.Eliot



Leia: http://www.opoema.libnet.com.br/tseliot/tseliot_db.htm

0 comentários: