Sabe quando a vida adquire um jeito de poço profundo e nos olha com olhar de proprietária? como se nada pudéssemos fazer, a não ser esperarmos expectantes, numa tensão de fio, num limite silenciosamente demarcado? como se ali a um passo tudo pudesse mudar e nada fosse suficiente para impulsionar ou nos prender a terra, pura areia movediça sob nossos pés. Era assim que todo o meu silêncio pesava, como o mais puro metal.

andrea augusto©angelblue


 

0 comentários: